quarta-feira, 8 de maio de 2013

Emu (Dromaius novaehollandiae)

ZOOLOGIA - 40
CLASSE DAS AVES - 11
ORDEM CASUARIIFORMES - 1
FAMÍLIA DROMAIIDAE - 1
GÊNERO DROMAIUS - 1

ESPÉCIE: Emu (Dromaius novaehollandiae) - Latham, 1790 [LC].


              O Emu (Dromaius novaehollandiae, "Corredor da Nova Holanda" em latim) é a maior ave nativa da Austrália e, depois do avestruz, a segunda maior ave que vive hoje.

              Ele habita a maioria das áreas menos povoadas do continente, evitando apenas a floresta densa e o deserto severo. Como todas as aves do grupo das Ratitas, não pode voar, mas, distintamente de alguns, tem pequenas asas escondidas sob as penas.

Descrição
              Emus são aves de cor marrom (castanho), de penas macias, que alcançam de 1.5 a 2 metros de altura e pesam até 60 kg, com o macho marginalmente menor.

              São nômades oportunistas e seguem a chuva, se alimentando de grãos, flores, frutas, insetos e o que mais for disponível. Eles são capazes de viajar grandes distâncias em um trote rápido e econômico e que, se for necessário, pode correr a 50 km/h.

Espécies
              Três diferentes espécies de Emus existiam antes da colonização europeia em 1788:

1 - O Emu, (Dromaius novaehollandiae), na maioria das regiões menos povoadas da Austrália continental. Sua população total varia de década em década de acordo com o regime de chuvas; de tão pouco como 200.000 indivíduos a até 1.000.000, com um valor médio em torno de 500.000 indivíduos. Embora não sejam mais encontrados nas densamente povoadas áreas agrícolas do sul e sudoeste, a provisão de água perene nas regiões áridas tem permitido a espécie estender seu território.

Há três subespécies ou raças atualmente na Austrália:
  1. Dromaius novaehollandiae novaehollandiae - Sudeste da Austrália - possui um colar de penas brancas no período de reprodução.
  2. Dromaius novaehollandiae woodwardi - Norte da Austrália - delgado, mais pálido.
  3. Dromaius novaehollandiae rothschildi - Sudoeste da Austrália - mais escuro, não apresenta colar no período de reprodução.
  4. Dromaius novaehollandiae diemenensis - Tasmânia - O Emu-da-tasmânia, tornou-se extinto por volta de 1850.
2 - O Emu-de-Kangaroo-Islândia, (Dromaius baudinianus) foi dado como extinto por volta de 1827 em virtude de caça e incêndios frequentes. A espécie continental, de maior tamanho, foi introduzida na ilha Kangaroo na década de 1920.

3 - O pequeno Emu-negro (Dromaius ater) tinha cerca de metade do tamanho da espécie continental. Em 1805 tinha sido caçado até a extinção por caçadores de focas e marinheiros visitantes.

Reprodução
              O casal cruza a cada um ou dois dias e, todo segundo ou terceiro dia, a fêmea põe um ovo verde escuro, muito grande e de casca grossa, pesando cerca de meio quilograma. O macho fica choco por volta do sétimo ovo e começa a chocar os ovos. Daí em diante, ele não come, bebe ou defeca, e só levanta para virar os ovos, que ele faz cerca de 10 vezes por dia.

              Pelas próximas oito semanas, ele sobreviverá da gordura corporal acumulada e qualquer orvalho da madrugada que ele possa alcançar do ninho, perdendo até um terço de seu peso e ficando cada vez mais fraco e confuso.

              A fêmea continua pondo ovos, mas não cruza mais com o macho depois que ele começa a chocar os ovos.

Fotos: 54.























































Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não faça comentários anônimos ou de caráter ofensivo e desrespeitoso!
Obrigado!